terça-feira, setembro 02, 2008

O verdadeiro Resumo do jogo by http://bicampeoesdomundo.blogspot.com/

Estavamos para fazer uma análise exaustiva ao que aconteceu no passado Sábado no Cesto do Pão, mas os nosso colegas do blogue http://bicampeoesdomundo.blogspot.com/- fizeram um trabalho excelente que deverá ser divulgado por todos nós.

Aqui fica a nossa contribuição:


E agora a literatura in "Portista de Bancada + O Dragão":

«IN "PORTISTAS DE BANCADA"
Será que, como Veiga no Estoril, o Vieira vai ter de pedir a ajuda do major por causa de uma multa? Mas a Luz terá interdição ou o Benfica desce de divisão? Pode-se contar com uma vitória na secretaria para o FC Porto?

Uns abnegados cronistas do regime branquearam a situação da agressão ao árbitro-auxiliar José Ramalho na Luz. Foi a imagem do fim-de-semana, de resto complementada com a coação que, posteriormente, se percebeu existir, com o auxiliar a ajuizar que a bola cortada por Bruno Alves estava dentro da baliza.

Logo pulularam na Imprensa os artigos menos nefastos do Regulamento de Disciplina, aqueles que falam de multas e, na pior das hipóteses, interdição de duas formas: jogos à porta fechada ou jogos com público a x quilómetros de distância.

Como temos o Benfica em casa a seguir contra o Sporting e é absurdo que o dr. Costa da Justiceira Liga onde reina o influenciado Taberneiro Hermínio, é claro que tudo deve passar com uma multazita. Porque um Benfica-Sporting à porta fechada é inimaginável, quando muito vá-se para o Allgarve que o António Boronha agradece...

Claro que não se põe a hipótese de o artigo 54º do RD, tão arremessado contra o Boavista por coacção por telefone, seja aplicável na terra do nunca: nunca prejudicar os interesses instalados, claro está lisbonenses também.



"Artigo 54.º
Coacção1. Os Clubes que exerçam violências físicas ou morais sobre delegados da Liga, observadores de árbitros, dirigentes, jogadores, treinadores, secretários ou auxiliares técnicos, médicos, massagistas e delegados ao jogo do Clube adversário, que ocasionem inferioridade na sua representação aquando dos jogos oficiais e contribuam para o desenrolar deste em condições anormais, serão punidos nos termos do n.º 2 do Art.º 51.º.
2. Se os factos referidos no número anterior forem cometidos sobre qualquer elemento da equipa de arbitragem com o fim de, por qualquer forma, ocasionar condições anormais na direcção do encontro com consequências no resultado ou levem o árbitro a falsear, por qualquer modo, o conteúdo do boletim do encontro, o Clube serão punidos nos termos do n.º 1 do Art.º 51.º.
3. Os factos referidos nos n.ºs 1 e 2, quando na forma de tentativa, serão punidos com pena de derrota e multa acessória de € 12.500 (doze mil quinhentos euros).
4. Os Clubes são considerados responsáveis, nos termos dos números anteriores, pelos factos cometidos, directa ou indirectamente, por qualquer dos seus dirigentes ou representantes, sócios e funcionários."

Portanto, espera-se uma vitória do FC Porto na secretaria: um árbitro foi agredido e esse mesmo quis ver uma bola na baliza do FC Porto a dar o empate ao Benfica. Não é preciso o Miguel "parece-me claramente que a bola entrou" Prates. Em 2004 (o lance Petit-Baía), o lance polémico, como agora, não foi conclusivo no visionamento das imagens.

A Lei 16/2004 foi criada por causa e em vésperas do Europeu em Portugal. Sabemos como somos um País de Leis impossíveis de cumprir. Como os regulamentos da tropa, quem os inventou teve de suicidar-se por ser incapaz de os respeitar... Um país de malucos, com corninhos como o diabo nem que ande a passo de caracol das bancadas à linha lateral, que os polícias - onde estavam os snipers? - quase deixavam o homem de Gaia (a sul do Douro, entenda-se) voltar tranquilamente, ufano e vitoriado pela turba ululante, para o seu poiso ardente.

Curiosamente, a 3 jornadas do fim da época 2003-2004, o Sporting-Benfica teve um energúmeno dito líder da Juve Leo, Fernando Mendes como é conhecido, a invadir o campo, com um pau, travado a custo por José Eduardo Bettancourt.



O Sporting não levou interdição alguma, o rapazola não foi preso e continuou, impunemente, a entrar em estádios. Isto estava a Lei fresquinha, mas era só para ingleses e outros camones verem quando assistissem ao Europeu nesta terra de brandos costumes.

Tivemos, porém, o abuso da coacção pelo Boavista a ditar a sua despromoção. O dr. Costa, da Justiceira Liga, tem agora o seu momento zen que não faltarão microfones e câmaras de tv para enaltecer a sua figura modelar: aplique os mesmos ditâmes que norteou a sua conduta nos acórdãos da Liga que puniram o Boavista ou os axadrezados saberão que, por coacção, mais vale bater que telefonar aos árbitros.

Os justiceiros da Imprensa não terão duas caras para contrariarem o sentido ético e moral que os norteia, um futebol limpo e sem violência.

Será desta que o campeonato da I Liga ficará com número ímpar de concorrentes?
E o Benfica não ganhará um campeonato nas calmas lá pela II Liga, justificando o investimento louco, desesperado, desta época?
Só a coacção por telefone despromove?

O Freitas do Amaral, em vez dos 65 mil euros do parecer fantoche, vai receber 6,5M por outra opinião a divagar sobre o Português e o entendimento de situações agressivas, ainda que "normais mas fora do comum", num contorcionismo a que forçosamente terá de juntar-se doutas opiniões de eminentes magistrados?

Venha de lá essa douta interpretação da CD da Liga. Até o Rui Santos já amenizou as coisas a remeter para José Ramalho o ónus de poder despromover o Benfica...

Delgado, belzebú onde estás tu?

Nã, foi só um folclore de final de Verão.

p.s. - parece que o empate da Luz foi justo. Uma plêiade de jornalistas o sentenciou, ilibou até o árbitro de influências no resultado. O Governo retira ênfase à onda de violência. Até se enaltece o apagamento dos fogos de Verão. Não vivemos no País em que estamos... »

GdI